Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2007

Por que é que as ondas...

 

 
 
 

Por que é que as ondas...
... chegam à praia quase paralelas à costa?
 

 
Se olharmos o oceano de cima, de um ponto mais elevado numa costa, vemos o padrão horizontal de cristas de onda que se aproximam dela. E podemos então notar que, seja lá de que direcção as ondas venham, elas acabam por se ir encurvando ao chegar mais perto da costa de modo a chegarem à praia numa direcção quase perpendicular a ela, mas raramente exactamente perpendicular.
 
O que se passa é que, quando uma onda se aproxima da costa numa direcção que faz um determinado ângulo com a perpendicular à costa, as partes mais próximas da costa «sentem» o fundo mais cedo e, nessas partes, a velocidade de propagação das ondas diminui. À medida que cada parte da crista da onda vai sentindo o fundo, as partes que o sentiram antes vão diminuindo cada vez mais a sua velocidade. Deste modo e de uma forma contínua a linha da onda vai sendo encurvada: um fenómeno a que se chama refracção das ondas, por ser similar ao que se passa com os raios de luz na refracção óptica. E é isto que faz com que as ondas acabem por chegar à praia numa direcção quase perpendicular a ela e rebentem de um modo quase paralelo à costa.
 
Na refracção, passa-se algo de parecido com uma fila de soldados que vira uma esquina em formação, com os soldados que estão mais perto da esquina a andarem mais devagar e os que estão longe dela a andarem mais depressa. Se uma onda encontra uma parte da costa mais saliente, como um promontório, a parte que a «sente» primeiro diminui mais depressa de velocidade e as outras partes, de ambos os lados, seguem em frente mas vão sendo encurvadas e vão acabar por rebentar de cada um dos lados dessa saliência (os soldados em frente ao promontório param e os outros atacam-no rodeando-o de ambos os lados). As ondas convergem nessas partes mais salientes e ao rebentar gastam nelas a maior parte da sua energia, causando mais erosão do que nas outras partes da costa. Nas baías, a refracção faz com que as ondas divirjam e a energia aí despendida seja mínima, tornando as baías mais calmas.
 
As partes salientes das costas «chamam as ondas». E a energia das ondas é assim distribuída de forma ir tornando a linha de costa cada vez mais rectilínea.
 
As ondas provocadas pelos ventos das tempestades podem ser extremamente destrutivas. Chegam por vezes a conseguir levantar estruturas de mais de 2000 toneladas. Mas as ondas mais destrutivas são as associadas aos maremotos e aos tsunamis.
 
 

publicado por Praia da Claridade às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 20 seguidores

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Figueira da Foz ... vista...

. Órgão do Mar

. Surf - Ondas gigantes

. Por que é que as ondas...

. Arte xávega

. Naufrágio na Praia da Fig...

. O Mar da Figueira da Foz

. Fonte Luminosa da Figueir...

. FIGUEIRA DA FOZ

.arquivos

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Junho 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Maio 2006

.Temas

. acidentes

. curiosidades

. desporto

. figueira da foz

. geografia

. mar

. todas as tags

.Os meus blogs